Quantidade de Páginas visitadas

LAR ESCOLA YVONE PIMENTEL – 1969

HISTÓRICO – 1969

JUSTIFICATIVA


É A JUVENTUDE TRANSVIADA, RESULTADO DE UMA CLASSE SEM LAR, SEM INSTRUÇÃO, SEM CALOR. SÓ O FRIO GÉLIDO QUE MANA DO VÍCIO, DA IGNORÂNCIA, DO DESAMOR...
OS LARES DESAJUSTADOS SÃO CAUSA PRINCIPAL DESTA DESPESA EXORBITANTE DO ESTADO PUDESSEMOS MELHORAR A FAMÍLIA E OS COFRES PÚBLICOS NÃO NECESSITARIAM DE RESERVAS PARA MANUTENÇÃO DAS CASAS DE RECUPERAÇÃO PARA AMBOS OS SEXOS.
(CÓPIA FIEL DO LIVRO ATA DAS IRMÃS PASSIONISTAS).
DECRETO LEI
Denomina Lar Escola “Yvone Pimentel” o atual Centro de Recuperação feminino do Tarumã. A Assembléia Legislativa de Estado do Paraná decretou e eu sanciono seguinte lei:

ARTIGO 1º - Fica denominado “Lar Escola Yvone Pimentel” o atual centro de Recuperação feminino do Tarumã, localizado em Curitiba.

ARTIGO 2º - Esta Lei entrará em vigor na data de sua publicação, revogada as disposições em contrário. Palácio do Governo de Curitiba, 24/08/1967
(aa) Paulo Pimentel
Carlos Alberto Moro
(REF. Port. Nº 16016-67 PG - 16081.)

(Cópia fiel do Diário Oficial Nº 145)

INAUGURAÇÃO

O Lar Escola Yvone Pimentel, foi inaugurado em 1º de fevereiro de 1969, conforme trecho publicado no jornal “A Gazeta” e transcrito fielmente:
A inauguração do Lar Escola Yvone Pimentel faz parte da atual administração no campo da assistência social, não apenas pelo vulto de recursos aplicados na construção do magnífico conjunto como principalmente pelo aspecto humano e social de sua realização.
Além do governador Paulo Pimentel, que presidiu a solenidade o general José campos de Aragão comandante da 5ª Região Militar ; brigadeiro Délio Jardim de Mato, comandante da EOEG; D. Manuel da Silveira Delboux arcebispo metropolitano; engenheiro Omar Sabag , prefeito de Curitiba, deputado Erondy Silverio, presidente da Assembléia Legislativa; reverendo Mário Leite Cerqueira Junior representante do presidente da Fundação Nacional do bem estar do menor; Ítalo Conti; João de Matos Leão, Cândido Manoel Martins de Oliveira, Joaquim dos Santos Filho e Miró de Guimarães, Secretários de Estado; D. Geraldo Pelanda, bispo de Ponta Grossa; professor Pedro Parigot de Souza, presidente da Copel, além de outras altas autoridades estaduais. Antes do corte da fita simbólica, usaram da palavra, à entrada do Lar Escola, o secretário de obras públicas, engenheiro Miró Guimarães; uma aluna do estabelecimento que agradeceu ao governador a conclusão da obra; o general Ítalo Conti; secretário do Trabalho e Assistência Social; e o governador Paulo Pimentel.”

General Ítalo Conti, no discurso que pronunciou durante a solenidade “ É uma obra principalmente da senhora”, frisou o secretário do Trabalho e Assistência Social dirigindo-se a D. Yvone Pimentel, acrescentando: Entre as muitas qualidades demonstradas seguidamente pela Primeira Dama de nosso Estado no sentido de se compadecer e preocupar permanentemente com a sorte de seu povo, tem sobressaído uma intenção toda especial para com o problema do menor nos vários aspectos que:
1º Curso primário: 174 alunas vindas do educandário Nossa senhora de das Dores;
18 terminaram o curso;
15 fizeram exame de admissão;
19 receberam certificado de tricô e crochê;
Foram 13 as professoras nomeadas pela Secretaria de Estado da Educação e
Cultura para o curso primário, e quatro para cursos Técnicos
Capelão, médicos:
1 - Clinica Geral;
1 - Oculista ;
1 - Dentista.
Orientadora Educacional, Assistente Social, Orientadora Pedagógica, Agente Social;
Biblioteca, Educação física.
11 - Empregados: motorista, Guardião noturno, porteiro, caldeireiro, cozinheira e serventes.
14 – Religiosas Passionistas membros da supramencionada associação prestaram serviço durante o ano.

CONCLUSÃO

Irmãs Passionistas

A entrega do Lar em 1º de fevereiro de 1969, foi um marco para as comemorações do 50º aniversário da chegada das irmãs passionistas ao Brasil, cujo festejos foram abertos em 07 de novembro de 1968, para serem encerrados solenemente. Em 07 de novembro de1969.


SEMI – EXTERNATO 1978 - 1982
FINALIDADE

A finalidade da U. S. O . Y. P.:
Era de proporcionar à criança e adolescentes, na faixa etária de 7 a 14 anos, em regime aberto assistência a alimentação, encaminhamento à escola e acompanhamento através de reforço escolar; atendimento à saúde; atividades Culturais, Cívicas e Sociais, Ensino Religioso, acompanhamento familiar e documentação pessoal.

OBJETIVO GERAL:

Garantir a criança e ao adolescente em situação de risco social e pessoal o cumprimento do previsto na LEI - 8.069/90 – estatuto da criança e do adolescente, que regulamente o artigo 227 da Constituição Federal, referente aos seus direitos e deveres.

HISTÓRICO

O LAR escola Yvone Pimentel funcionou em sistema de internato até janeiro de 1978, procurando reeducar e recuperar adolescentes do sexo feminino compreendida na faixa etária de 12 anos aos 18 anos, com problemas de conduta geral e necessidade de contenção .
Apartir de 18 de janeiro de 1978, a unidade sofreu uma reestruturação passando a receber crianças órfãs, abandonadas ou carentes de recursos financeiros, tendo como objetivo viabilizar o processo educativo, fornecendo as condições de trabalho, de estudo e de lazer.
Esta unidade funcionou até 1982, quando atendendo solicitações da comunidade, passou a atender em regime de semi-externato. Sendo assim, implantou-se oficialmente o semi-externato, cuja situação foi levada para direção do antigo I A M (Instituto de assistência ao menor) , depois FASPAR (Fundação de Ação Social do Paraná) e hoje I A S P (Instituto da Ação Social do Paraná).
A Unidade Social Yvone Pimentel, a partir de janeiro de 1978, passa ter uma parceria entre Estado Município e comunidade.
Em 18/11/1983, foi implantada a Associação comunitária de Educadores – ACEPE,
Com a finalidade de organizar a comunidade.

CONSTRUÇÃO DO PRÉDIO

A construção do prédio teve início no Governo do Sr Moisés Lupion, ficando paralisada por algum tempo, até o Sr Secretário Ítalo Conti tomou a frente devido às muitas deficiências da Escola Nossa Senhora das Dores: grande número de menores em local apertado, em meio de excepcionais, sem possibilidades da integrá-las na relação desenvolvimento- recursos humanos, visando ao bem – estar material, moral, espiritual e intelectual.

(CÓPIA FIEL DA ATA DO Lar Escola Yvone Pimentel)

Nesta realidade de Brasil e de mundo é que em 1º de fevereiro de 1969, o Lar Escola Yvone Pimentel foi inaugurado. O local servia para casa de reeducação de meninas infratoras, sob a administração das irmãs Passionistas. A partir de1978, a unidade sofreu uma reestruturação passando apenas a receber crianças órfãs, abandonadas e carentes de recursos financeiros, tendo como objetivo viabilizar o processo educativo, fornecendo as condições de trabalho e lazer.
Esta unidade funcionou até 1982, passou atender em regime de semi-externato. Cuja situação foi levada para a Direção do antigo I. A. M. (Instituto de Assistência ao Menor), depois Faspar (Fundação de Ação Social do Paraná e hoje IASP (Instituto da Ação Social do Paraná) em 18/11/1983, foi implantada a Associação Comunitária de Educandos, Pais e Educadores - ACEPE - com, a finalidade de organizar a comunidade.


POR QUE PAULO LEMINSKI? QUAL A ORIGEM DO NOME DO COLÉGIO?

A Direção do Colégio foi chamada pela Secretaria de Estado da Educação, em 1994, quando foi solicitado que se fizesse uma mudança no nome do Colégio uma vez que já existia no bairro Novo Mundo um Colégio com o mesmo Nome. A SEED sugeriu que se fizesse uma homenagem para uma professora que teria falecido recentemente Professora HILDEGAR (que durante muito tempo foi diretora do Colégio Bagozzi). Em discussão com o corpo docente do Colégio dois outros nomes foram apresentados: Mário Quintana e Paulo Leminski. Foi realizada uma consulta a comunidade escolar, (alunos e professores) e o nome do Poeta Paulo Leminski foi escolhido com 80% dos votos.

RESULTADO CONSULTA PARA MUDANÇA DO NOME DA ESCOLA:

  • COLÉGIO ESTADUAL PROFESSORA HILDEGARD SCHHMAH 22 VOTOS
  • COLÉGIO ESTADUAL MÁRIO QUINTANA 81 VOTOS
  • COLÉGIO ESTADUAL PAULO LEMINSKI 584 VOTOS


POR QUE PAULO LEMINSKI?
É paranaense, nascido em Curitiba a 24 de agosto de 1944.
“O tempo que me foi dado nesse planeta eu quero transformar em palavras, em sentido compartilhado, quero socializar o meu viver.”
É poeta e foi corpo de alma. É cultura e palavra paranaense.
Foi professor.
Desencantei-me quando entrou o vestibular feito com ‘X’ . É o vestibular tecnocrático, para ser corrigido por computador. O vestibular anti-humanista. Quando entrou esse vestibular, todo o ensino brasileiro foi reformulado em torno da “múltipla escolha.”
Tinha olhos críticos a cultura paranaense e curitibana.
A cultura é uma planta frágil e difícil. Em Curitiba e no Paraná em geral houve uma descapitalização cultural dos imigrantes. O imigrante deixa de ser alemão, italiano ou japonês, mas ele ainda não é brasileiro. Isto gera uma disponibilidade para a cultura do mundo todo e nos torna presa fácil das multinacionais de cultura. Nós não temos uma veia cultural popular que sirva de barreira.
Paulo Leminski porque é Curitiba, é Paraná e transcendente.
“ Moinho de versos
movido a vento
em noites de boemia
vai vir o dia
quando tudo o que eu diga
seja poesia.”
(Professora – Maria de Fátima Paul)

ASPECTOS HISTÓRICOS-1993 a 2001

HISTÓRICO - 1993 -

Implantado em março de 1993, visando atender o excesso de demanda de Ensino Fundamental (5ª a 8ª série) e suprir a lacuna de Ensino Médio.
No Ensino Médio foram implantados os cursos de Educação Geral Diurno e Noturno de forma simultânea e a habilitação de Magistério de forma gradativa.
Proposta de superação do fracasso escolar – reprovação e evasão – no Ensino Fundamental e Médio, a ampliação da oferta de “tempo” de ensino através de atividades extracurriculares.
Estruturou-se a Associação de Pais e Mestres, a fim de viabilizar a participação, nas decisões e encaminhamentos da escola.
Foram elaborados e aprovados pela SEED para implantação em 1994, os seguintes projetos:
Reforço de Português e Matemática;
Oficina de teatro;
Curso de língua estrangeira;
Escolinha de xadrez e futebol;
Biblioteca na escola;
Laboratório.

HISTÓRICO – 1994 –

Construção de uma proposta coletiva de trabalho – O projeto Político Pedagógico.
Discussão do Plano Decenal de Educação.
Mostra Cultural.
Jornal da Escola.
Projetos especiais.
Transformação da APM em AMPF.
Formação do Grêmio Estudantil.
Formação do Conselho Escolar.
Regimento Escolar.

HISTÓRICO – 1995 –

O trabalho de avaliação escolar ampliando as discussões e reflexões também ao corpo discente.
Elaboração de uma concepção de avaliação desta escola.
Projeto de reconhecimento dos cursos de Educação Geral diurno e noturno.
A SEED não possibilitou a manutenção dos projetos especiais de aula de reforço, canto coral, teatro e biblioteca.
Defesa da manutenção do Colégio nas suas dependências, uma vez que, em função da privilegiada localização e estrutura física, a Fundepar, órgão responsável também pela coordenação geral da vila Olímpica do Paraná.

HISTÓRICO – 1996 –

A direção do Colégio foi mantida de processo Eleitoral e houve a renovação da APMF.
No campo pedagógico organizaram reuniões por área.
De conhecimento entre professores e equipe pedagógica
Discutiu – se o futuro da criança e do adolescente sob orientação da promotoria pública visando esclarecer e reorganizar as ações no âmbito escolar.
A comunidade escolar envolveu – se com a discussão do PROEM (Programa de Expansão a Melhoria do Ensino Médio).
A proposta da SEED de cessação da habilitação do Magistério foi amplamente debatida por professores, funcionários, alunos e pais do Conselho Escolar a APMF.

HISTÓRICO – 1997 –

Ampliação das dependências físicas em duas salas de aula, a pedido do NRE, pra atendimento da demanda pelo Ensino Médio diurno.
A APMF garantiu os recursos necessários à esta ampliação bem como promoveu uma reforma geral nas instalações do Colégio: pintura, troca de fechaduras, reforma de murais, revisão da rede elétrica e banheiro.
Foi estruturado um almoxarifado de materiais e recursos didáticos bem como a aquisição de novos equipamentos: Kits para laboratórios audiovisuais, mapas , jogos educativos, jogos e figuras matemáticos, entre outros.
Implantação do Programa de Correção de Fluxo no Ensino Fundamental.
Renovação do Conselho Escolar através de amplo processo esclarecimento e debates com a comunidade da escola e escola e aprovação do estatuto para o Conselho Escolar.
Encaminhamento do Projeto de Reconhecimento da Habilitação do Magistério.
Ampliação do acervo da Biblioteca.
Execução do Projeto de iluminação do pátio interno,além da necessária mobilização pela Reforma do Bloco anexo.

HISTÓRICO – 1998 –

A direção foi reeleita através de processo democrático de eleição de diretores.
O Colégio iniciou com cinco novas salas de aula, reformadas no bloco desativado pela Fundepar.
Organização da Mostra Cultural tendo como tema gerador a Globalização.
Elaboração de um documento intitulado – Normas para Trabalhos Escolares.
A nova proposta para o Ensino Médio a partir das diretrizes curriculares definidas pelo MEC.
Foi eleita uma nova diretoria para a APMF.
Continuou oferecendo matrícula para a 1ª série de habilitação do Magistério.

HISTÓRICO – 1999 –

Foi reestruturada a equipe pedagógica viabilizando uma assessoria pedagógica por área de conhecimento.
Através do Proinfo a da APMF, o Colégio montou, no início de 1999, um laboratório de informática com 15 máquinas.
Foi realizada, em parceria com o Proinfo um curso de capacitação básica de informática educativa para o corpo docente.
Informatização da Biblioteca, catálogo todas de todas as obras e tornando assim mais fácil e acessível aos alunos o empréstimo e utilização de livros.
Eleição do Conselho Escolar, envolvendo todos os segmentos.
Habilitação do Curso de Magistério foi oficialmente autorizado pela SEED e as matrículas para a 1ª série assegurada.

HISTÓRICO – 2000 –

Elaboração de uma proposta, solicitada pela SEED, de capacitação docente a ser desenvolvida dentro da unidade escolar. Tal proposta não foi viabilizada pela mantenedora.
Greve geral que durou 19 dias letivos. 97 % do corpo docente deste estabelecimento aderiu ao movimento por melhores condições de trabalho hora atividade, assistência à saúde e melhores salários.
A reposição das aulas ao termino da greve foi realizado aos sábados, em calendário aprovado pela SEED.
Realização da VII Mostra Cultural, “Retrospectiva do Século XX”.
Processo de eleição de diretores através de um colegiado por determinação da SEED para um mandato provisório de06 meses.
Novas solicitações de reformas do desativado, que conta com uma área de aproximadamente 200m quadrado, bem como a reforma, cobertura e iluminação da quadra poliesportiva.

HISTÓRICO –2001 –

Eleição do Grêmio;
Assembléia dos alunos para reeleição do estatuto do Grêmio;
Eleição da APMF;
VIII Mostra Cultural;
Assembléia para apresentação dos candidatos a direção e de suas propostas a Comunidade Escolar;
Candidatos à direção:

Professor - Alexandre
Professora - Ermelisy
Professor - Jorge
Professora - Mary

Eleição para direção 2002/2004;
Resultado da eleição a direção 2002/2004 - Vitória da professora Mary com 78 % dos votos da Comunidade Escolar.

PAULO LEMINSKI: MORREU- 07/07/1989

 

 


Secretaria de Estado da Educação do Paraná
Av. Água Verde, 2140 - Água Verde - CEP 80240-900 Curitiba-PR - Fone: (41) 3340-1500
Desenvolvido pela Celepar - Acesso Restrito